sexta-feira, 21 de outubro de 2016

SC: Ciclone extratropical provoca vendavais e um tsunami meteorológico

A semana iniciada no dia 16 de outubro de 2016, foi marcada por fenômenos atmosféricos extremos na região sul de Santa Catarina. O motivo dos estragos estão relacionados à presença de um ciclone extratropical que está sobre o oceano, bem na altura de Santa Catarina. 

Tubarão, no Sul catarinense, decretou calamidade pública após um vendaval com rajadas de vento superando os 100km/h. Balneário Rincão também sofreu com um evento bastante raro, um tsunami meteorológico.

O estado divulga que no total, 64 municípios catarinenses foram atingidos por temporais.

As perdas foram enormes e 4 pessoas morreram: um homem que caiu do telhado em Fraiburgo, no Oeste, uma mulher que morreu de infarto após sofrer forte emoção durante a chuva de granizo, também em Fraiburgo, a menina de 8 anos que morreu em Tubarão no domingo e um agricultor de 26 que morreu na segunda (17) em São Carlos, no Oeste.

Em todo o estado, foram contabilizados 41 feridos, 28 desabrigados e 3.617 desalojados. No total, foram 131.148 afetados. 5.406 casas e 112 instalações públicas tiveram danos.

Em entrevista ao Jornal do Almoço (RBS) o Geólogo da Furb, Juarez Aumond afirma que os fenômenos cada vez mais extremados, ocorrem em função das mudanças climáticas. São difíceis de prever e devem ocorrer com cada vez mais frequência. E como não conseguimos reverter estas mudanças, devemos nos preparar melhor e proteger.

Tsunami Meteorológico

De acordo com a Defesa Civil – SC, O fenômeno que provocou a onda na praia em Balneário Rincão foi um tsunami meteorológico. Em inglês se chama de meteotsunami.

Um tsunami meteorológico ocorre quando um conjunto de cúmulo-nimbo, a nuvem que provoca as tempestades, se propaga em paralelo sobre o oceano. Nesse cenário, uma grande onda pode se formar caso as ondas do mar também estejam alinhadas a essas nuvens.

"Ocorre uma ressonância entre a onda de pressão [nuvem] e a onda do mar, que se aproxima da costa, cresce em amplitude e pode inundar a região costeira", explica também Renato Ramos da Silva, professor de física da atmosfera da UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina).


Em Santa Catarina já houve registros na praia do Pântano do Sul, e que também foi sentido na praia da Armação em 19 de novembro de 2009. Esse evento foi muito bem documentado e descrito pelo Eloi Mello et al. (2010). Além desses, ocorreram dois eventos similares na praia do Cassino no RS em 1977 e em 2014. 




Um estudo mais aprofundado sobre o tema pode ser verificado no link http://www.semengo.furg.br/2010/24.pdf



Vendaval em Tubarão



Microexplosão em Laguna

A microexplosão, que é facilmente confundida com um tornado também foi registrada na região sul de SC.


Jonathan Kreutzfeld

Fontes:








quinta-feira, 13 de outubro de 2016

Se o Sul fosse um país


Algum tempo atrás resolvi começar a pesquisar e discutir este assunto por vontade própria e, é claro, também por interesses pedagógicos. Desde então, fiz levantamentos mas venho falando mais do que escrevendo sobre o assunto. 

Abaixo exponho alguns dados em tabelas e duas entrevistas sobre o tema.

As entrevistas que seguem sobre o sul é meu país foram concedidas para a Rádio Cultura de Timbó ao apresentador Carlos Henrique Roncalio.

A FAVOR DA SEPARAÇÃO

Celso Deucher - Jornalista



CONTRA A SEPARAÇÃO

Jonathan Kreutzfeld - Professor



ANÁLISE DE INDICADORES SOCIOECONÔMICOS


Digamos que a síntese destas e outras informações poderia ser assim:

ASPECTOS POSITIVOS
ASPECTOS NEGATIVOS


Teria autossuficiência em energia elétrica
Dependeria muito de petróleo importado
A agricultura seria em geral suficiente e exportaria o excedente
Importantes recursos minerais teriam que ser importados
Teria uma fábrica da BMW
Boa parte dos produtos químicos em geral seriam importados
Teria território mais fácil de gerenciar
Seria difícil pensar em grandes expansões agroindustriais
Apenas 5% de população residente em favelas
Precisaria importar mais mão de obra estrangeira
Seu IDH seria superior a média do Brasil
Haveria ainda maior dependência tecnológica de países estrangeiros
Teria 18,1% da riqueza do Brasil com atuais 14,3% da população
Economia de peso pequeno se considerar a economia mundial
Seria praticamente tão rico quanto o Chile
Só que teria quase o dobro da população do Chile
Seria etnicamente mais homogêneo? Para alguns isso é considerado bom
Provavelmente teríamos um país inimigo ao nosso lado, talvez uma guerra

Obs: Pra não esquecer do principal, nós teríamos 22% dos investigados com foro privilegiado na Operação Lava Jato. Ahhhh e eu AMO O SUL!!

Jonathan Kreutzfeld

Fonte: IBGE e PNUD.






quinta-feira, 6 de outubro de 2016

Incidência de assuntos de Geografia no Vestibular da UFSC (2010-2015)

Neste estudo de incidências, analisei na realidade os temas que aparecem em questões da prova. Por exemplo, uma questão sobre o Brasil onde o estudante precisa compreender a atividade econômica de cada região do país para responder algo sobre recursos hidrográficos, vai ter um ponto anotado em cada assunto. Por este motivo temos mais ocorrências do que questões em si. O mesmo acontece com questões de atualidades que podem falar desde Blocos Econômicos até sobre terremotos em uma só questão!

VEJA TAMBÉM:




GRÁFICO SOBRE A INCIDÊNCIA DE TEMAS / ASSUNTOS DE GEOGRAFIA
UFSC (2010-2015)


Então o que deve ser mais estudado afinal?

A prova da UFSC é em geral bastante complexa e aborda em todos os anos muitos conteúdos, mas é possível identificar um foco em conflitos internacionais, blocos econômicos, economia brasileira, vegetação e Santa Catarina.

Geopolítica: Tudo que diz respeito ao relacionamento de países ou laços econômicos é muito importante na prova da UFSC! Notei que quase todas as provas cobravam conhecimentos sobre o continente africano. Para este ano, neste item acredito que teremos questões sobre as migrações de africanos e sírios para a Europa.

Espaço Rural: Pouco cobrado, mas quando foi era mais relacionado com os impactos ambientais. Apareceu também em questões sobre êxodo rural e participação na economia brasileira.

Questões Ambientais: Embora este item eu criei para a incidência do assunto conferências e acordos sobre o clima, sempre que aparecia questões sobre El Niño, enchentes ou deslizamentos eu acabei pontuando também.

Globalização: Neste item, em geral questões sobre as revoluções industriais e como elas nos levaram à evolução tecnológica dos meios de comunicação.

Espaço Urbano: Bastante sobre rede urbana brasileira e catarinense, os conceitos e os problemas socioambientais também apareceram.

Atmosfera: Bastante conceitual, e também de identificação de climas no Brasil e no Mundo.

Hidrografia: Em questões sobre economia ou mesmo sobre vegetações do Brasil, apareceu bastante a correlação com as bacias hidrográficas. Em geral sobre as bacias, pouco sobre conceitos.

População: Sobre a população, devemos esperar coisas sobre migrações e da parte conceitual, tabelas ou pirâmides etárias para interpretar as condições de algum país.

Energia: Em geral sobre a produção de petróleo no Brasil e no mundo. Fora isso uma ou outra sobre hidrelétricas também.

Vegetação: Saber onde ficam os domínios vegetais ou biomas brasileiros é bem importante. Quase sempre a vegetação é cobrada contextualizada com a economia, hidrografia ou clima de algum lugar.

Santa Catarina: Todas as provas tinham questões completas sobre o assunto e as vezes ainda aparecia mais alguma coisa em assertivas de questões sobre outros assuntos. A maioria tinha mapa do estado e cobrava de forma bem abrangente dentro do tema representado escolhido.

Brasil Economia Regional: Neste item eu pontuei quando aparecia sobre governos do Brasil, divisão regional e claro a caracterização econômica, em geral essas questões tinham tabelas ou mapas e solicitavam análises regionais e comparações entre as mesmas.

Geologia: Terremotos, vulcanismo, erosão de solo e divisão de relevo brasileiro são os assuntos de maior incidência.

Cartografia: Nenhuma questão.

Movimentos da Terra: Fusos horários brasileiros, noções de coordenadas geográficas e consequências da translação ou rotação.

É isso aí pessoal, espero ter ajudado a nortear o estudo de vocês!

Jonathan Kreutzfeld

TABELA DE INCIDÊNCIAS