quinta-feira, 31 de maio de 2012

Resenha - Por Uma Outra Globalização - Milton Santos


UNIDAVI – Universidade Para o Desenvolvimento do Alto Vale do Itajaí 
Curso de Geografia – Parfor

Disciplina: Geografia das Sociedades – Moderna e Contemporânea


R E S E N H A


Aluno: Jonas Fabiciaki                             Data: 25 de Junho de 2012
Professor: Jonathan Kreutzfeld


Identificação da Obra: Por uma outra Globalização – do pensamento único a consciência universal – Milton Santos

 I – Introdução

            Vivemos em um mundo cheio de conflitos provenientes da atual fase da expansão capitalista no globo, varias são as discussões sobre esse processo em que vivenciamos na atualidade. Milton Santos traz nesta obra uma importante visão diferenciada de globalização, a globalização como perversidade, como abandono social tudo em nome de um projeto de reprodução do capital.

            Nesse texto a globalização é apresentada como fábula, como perversidade e como possibilidade – “por uma outra globalização”. O primeiro seria o mundo tal como nos fazem vê-lo: a globalização como fábula, o segundo seria o mundo tal como ele é, e o terceiro, um mundo como ele pode ser. Esse texto tem a função de desenvolver ideias em torno destas perspectivas apontadas por Milton Santos.


A globalização como Fábula - o mundo tal como nos fazem crer

            A globalização como fábula é imposta principalmente pelos meios de comunicação a todos que procura enfatizar o planeta em que vivemos como um amplo espaço e que podemos sim explorá-lo com o consumo. Como a padronização cultural, onde as pessoas são atraídas pelas mesmas coisas, mesmos hábitos, mesmos costumes e que ainda disfrutam de uma mesma rede que nós conhecemos como internet que fez com que nós ficamos presos numa gigante aldeia global, sem ter pra onde ir. Mas ao mesmo tempo nos dá uma importante noção de que o mundo está dentro da nossa casa, o capitalismo nos devorando e nós nem percebemos graças à globalização como fábula.

Um descaso com o estado que aparentemente ficou distanciado das demandas sociais, pois ele o estado precisa se apequenar as grandes corporações que hoje detém o poder sobre o próprio estado. Percebemos que vivemos em um único mundo, um mundo voltado a atender as necessidades das grandes empresas, vivenciamos uma nova tendência mundial de mercado.


O mundo como ele realmente é – a globalização como perversidade

A globalização como uma fabrica de perversidades tais como: fome, desabrigo, AIDS, mortalidade infantil, analfabetismo, enfim gravíssimos problemas sociais, quase sem solução na globalização em que vivemos, infelizmente para a maior parte da humanidade, o desemprego crescente consequentemente a pobreza aumenta e a classe media perdem em qualidade de vida, novas enfermidades se instalam e as velhas doenças retornam com força total. A perversidade está na raiz desta evolução negativa da humanidade e estes processos estão diretamente ligados com a globalização.

           
O mundo como pode ser – uma outra globalização

            Podemos pensar na construção de um outro mundo, uma globalização que volte seus olhares a esses problemas citados, uma globalização que se engaje sistematicamente a todas as pessoas, ou seja, um processo globalizado mais humano. Que em vez de apoiar sempre o grande capital internacional que possam servir a outros interesses sociais e políticos e não apenas econômicos.
           
            Alguns são os fatores que poderiam colaborar pra isso: a miscigenação de povos, culturas, valores, gostos, credos em todos os quatro cantos do globo possibilitaria uma outra globalização, um outro discurso é possível, uma nova visão de mundo, devemos urgentemente reaprender a ver o mundo.


II – A Produção da Globalização

A globalização é o apogeu do mundo capitalista de um processo que conhecemos como internacionalização do mundo globalizado os fatores que levaram a este processo são: a unicidade da técnica, a convergência dos momentos, o conhecimento do planeta e a mais valia globalizada.

As técnicas são oferecidas como um sistema, graças ao avanço da ciência fora produzido um sistema de técnicas da informação, que assim possibilitou um novo sistema de presença em todo o planeta. Globalização é o resultado deste sistema que resulta de ações que asseguram a emergência de um mercado global.


III – Uma Globalização Perversa

            Nestes últimos anos testemunhamos grandes mudanças em todo o planeta terra. Tornamos pessoas que habita em um único mundo nos impondo, infelizmente para a maior parte da população do nosso planeta a globalização perversa, o poder do dinheiro e da informação, vários retrocessos como a noção de bem publico e de solidariedade, perdemos a noção de ajuda mutua, vivenciamos cada vez mais a noção de isolamento social, mas o mundo continua em nossa casa. Enquanto isso os governos agem com descaso com as funções sociais, com o chamado de “enxugamento” da maquina publica, os governos estão cada vez menos atribuições, consequência disso: “aumento da pobreza”.


IV – O Território do Dinheiro e da Fragmentação

            No mundo globalizado tudo ganha novas “caras”, inclusive o espaço, com isso nosso espaço geográfico sofre profundas transformações, novos contornos, novas características, tem novas definições.
           
Nossos territórios tendem cada vez mais se fragmentar em função deste novo processo globalizado, novos espaços são criados tudo em nome do “progresso”, onde tudo entra em confronto direto e indireto, meio ambiente-sociedade e vice versa.

O dinheiro traz consigo um papel importantíssimo nessa dinâmica apresentada, ou seja, é ele que reorganiza essa distribuição no espaço geográfico. Novas perspectivas em favor do capital. Hoje vivemos em um mundo de rápido em que as coisas tendem a fluir de forma instantaneamente, desta forma quem consegue acompanhar ótimo, porém, vivemos uma tendência em que “se correr o bicho pega e se ficar o bicho come”, por isso por outra globalização URGENTE.


V – Limites à Globalização Perversa

            A análise do fenômeno conhecido popularmente como Globalização é o descaso social que ela impõe, com seus aspectos extremamente dominantes para a maior parte da população mundial. Cabe a nós analisar os limites desse processo se continuarmos assim, onde iremos parar?

Podemos afirmar que estamos entrando em um novo período de transição da história, o momento em que vivemos com a globalização parece indicar a emergência de novos valores, novas atitudes, que nos faz crer que estamos produzindo as condições para a realização de uma nova história.

Não aceitamos mais a tantas evidencias factuais deste processo penoso que é a globalização. A velocidade nem sempre colabora com uma distribuição generalizada, são as disparidades no seu mau uso que caracterizam cada vez mais o aumento das desigualdades. O mito em que as novas técnicas contemporâneas pudessem colaborar e melhorar a vida do ser humano na terra desabaram, pois o que se observa realmente é cada vez mais a expansão da pobreza.


VI – A Transição em Marcha

            No mundo atual em que vivemos sentimos a necessidade de transformar as coisas que estão por ai, não ficamos mais calados, com as injurias que acontecem, um processo natural pra sociedade que estamos criando, temos a necessidade de criar algo novo, de viver um novo período, mas estamos num processo lento, pois o que aprendemos é a utilização das técnicas e da ciência pelas formas do capital, apoiados por formas institucionais são de certa forma igual.

            Os indivíduos que estão inseridos nesse processo não são igualmente atingidos por esse fenômeno, pois se encontra muita resistência ainda, pelas características culturais e nas diversidades destes indivíduos em rever como o processo esta inserido nele.

            Diante dos fatos e do que temos sobre nosso mundo atual, acreditamos que as condições estão sendo distribuídas para que nós pudéssemos desempenhar um novo papel nesse contexto. Um novo mundo é possível e outra globalização também. Agora descobrimos o verdadeiro sentido da nossa presença no planeta, podemos dizer que uma nova historia verdadeiramente universal está começando.

            De um ponto de vista mais existencial tudo isso pode obter outro uso e ou outra denominação. Porem a globalização atual pode e deve ser diferente.


VII – Conclusão

            A Mudança ocorrerá em todos os aspectos em todos os níveis, mas o principal responsável por ela ocorrer de verdade, somos nós que estamos diretamente engajados nesse contexto. Pois temos que fazer uma reflexão sobre a essência do capitalismo, pois este é à base da atual fase da Globalização. Pois nenhuma barreira será erguida, nada irá mudar se a reprodução do capital e o lucro continuarem fortes como estão.

O capitalismo jamais na sua história conseguiu reproduzir o capital e o lucro consequentemente sem gerar crises, para tanto é preciso fazer essa relação, precisamos mudar o sistema em vigor e desenvolver uma nova globalização.

É preciso urgentemente avançar no sentido que o ser humano possa atribuir um novo sentido à sua existência no planeta, de uma forma sistemática frear um pouco as tecnologias quanto à ciência e ou as suas técnicas utilizadas, para sim se preocupar um pouco mais na essência do ser humano e seu verdadeiro papel aqui no globo.


7 comentários:

  1. Este documento é uma jóia rara de valor incalculável, deve ser mais veiculado, em todos os meios possíveis, de todas as formas possíveis, em todas as direções possíveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Discordo. Temos que ser inteligentes e entender que o único meio de comunicação que este DOC pode veicular e a TV e sem duvidas, nenhuma emissora deseja que esse tipo de informação seja divulgada, pior, não há publico para esse tipo de matéria.

      Excluir
    2. Há publico sim, mas bem pouco, infelizmente. Atualmente, apenas programas que revelam a verdade falam isso, como CQC e outros... mas e bem dificil aceitar uma tipo de globalização desse jeito depois de ler esse texto.

      Excluir
  2. Baixar o Documentário - Milton Santos: Por Uma Outra Globalização - http://mcaf.ee/jkws0

    ResponderExcluir
  3. Temos a capacidade e inteligência de infiltrar esses ensinamentos na mídia, com projetos inteligentes e que envolva as comunidades em seu poder de decisões.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Como dito anteriormente há um público para esse tipo de documentário e também para o livro do Milton Santos, e quem melhor para ler e interpretar peças tão importantes para realidade social que os estudantes brasileiros? Estou no terceiro período de Direito e meu professor de Direito Internacional passou o livro do Milton Santos bem como o documentário, teremos um debate amanhã. Portanto, não somente a mídia televisiva pode divulgar estudos importantes, mas sim qualquer um que esteja disposto a procurar informações críticas e válidas.

    ResponderExcluir